sábado, 1 de maio de 2010

Ao longe, ao luar...


Atardecer em Lisboa



Ao longe, ao luar,
No rio uma vela,
Serena a passar,
Que é que me revela ?
Não sei, mas meu ser
Tornou-se-me estranho,
E eu sonho sem ver
Os sonhos que tenho.

Que angústia me enlaça ?
Que amor não se explica ?
É a vela que passa
Na noite que fica.

Fernando Pessoa

2 comentários:

  1. ¿es tuyo?, ¿o sea de ti?, que bién suena, lo aprendí leyendo Pessoa que el portugués és de una enorme y grata musicalidad para la poesia.

    Buen domingo.

    ResponderEliminar
  2. Lisboa siempre está preciosa, tanto de día como de noche,
    desde el alba al anochecer.
    Precioso poema. Los sueños tuyos y los míos que puedan cumplirse.
    Beijinhos

    ResponderEliminar

.

.

Banhinho

Banhinho
Loading...

ROGER

Related Posts with Thumbnails

A flor mais grande do mundo

Número total de visualizações de página