sábado, 13 de novembro de 2010

Horas rubras




Horas Rubras



Horas profundas, lentas e caladas
Feitas de beijos rubros e ardentes,
De noites de volúpia, noites quentes
Onde há risos de virgens desmaiadas...


Oiço olaias em flor às gargalhadas...
Tombam astros em fogo, astros dementes,
E do luar os beijos languescentes
São pedaços de prata p'las estradas...


Os meus lábios são brancos como lagos...
Os meus braços são leves como afagos,
Vestiu-os o luar de sedas puras...

Sou chama e neve e branca e mist'riosa...
E sou, talvez, na noite voluptuosa,
Ó meu Poeta, o beijo que procuras!




Florbela Espanca, in "Livro de Sóror Saudade"

4 comentários:

  1. "O amor calcula as horas por meses, e os dias por anos; e cada pequena ausência é uma eternidade."

    Beijinho.

    ResponderEliminar
  2. Hola Flor me he dado un paseo por tus bonitos blogs, llenos de colorido, eres todo un jardin de poesia. te sigo.
    un placer pasar a leerte.
    que tengas un feliz fin de semana.
    un abrazo.

    ResponderEliminar
  3. Hola de paseo por tu blog y me gusta mucho tus escritos son preciosos. Saludos

    ResponderEliminar
  4. Siempre es un verdadero placer visitarte y leer tus preciosos versos.

    Saludos cordiales

    ResponderEliminar

.

.

Banhinho

Banhinho
Loading...

ROGER

Related Posts with Thumbnails

A flor mais grande do mundo

Número total de visualizações de página